“E aí Jorjão, já fez amor à três?

Seu Jorge levantou cedinho como de costume, olhou pela janela e logo abriu um sorriso positivo – daquele que se diz: ´hoje é o dia´. Jorge era um homem normal, assim como nós, fazia as mesma coisas que todo mundo faz.

Mas nasceu uma segunda-feira inusitada: achava que mesmo cedinho como sempre, esse dia amanhecera diferente. Correu a mão pela pia do banheiro e a escova de dentes cai na privada. “Cê tá louco, sair sem escovar os dentes… nunca! Pô, mas dentro da privada?”

Arrumou tudo, tudo. Deixou apenas a camisa por último – essa mania ele não largava, aliás não largava nenhuma, apenas mudava a ordem – foi vestir: “cadê o botão da gravata?”.  Pôxa, tá parecendo praga!

Seu Jorge chegou ao Café de sempre: “um pão-de-queijo e um capuccino médio, médio hein!, por favor!”. Após uma breve pausa da atendente…

– Desculpe seu Jorge, mas hoje não tem o seu capuccino. Soltou a moça, com uma voz de impotência atenciosa.

– Seu Jorge, não vai hoje um carioquinha pra variar! Não vai se ofender, hein! – respalda mais aliviada a jovem moça.

Não tem lógica! Porque hoje? Logo hoje?! Há quanto tempo eu tomo café só aqui, mas você escolheu hoje, num foi? Não, não, eu sei que foi!

Sua consumação era interna, lenta, parecia que era à medida das horas. Logo um colega do trabalho toca-lhe as costas, numa roda de amigos, no intervalo da hora do almoço: “e aí Jorjão, já fez amor à três? “  “Não!  Não “ Afirma resoluto, seu Jorge.  “Então, corre pra casa que ainda dá tempo!” E as risadas soaram hall à fora, e na mesma velocidade, seu silêncio o engolia.             Na verdade, emudeceu-se com a vontade pelo chá da tarde, o jantar na sua casa com os familiares e, tudo o mais tornou-se fortuito.

Deu às costas e vagou pelo shopping por horas. Ainda restava uma mania antiga: ir ao sebinho atual – uma livraria – misto de livros velhos e novos. Logo entrou com aquele ar de apaixonado, chamou animado até: ´ei! cadê o Zé, ele ficou de olhar uns títulos para mim.

– Ei, doutor, ele saiu, não trabalha mais aqui.

– Como saiu? Saiu que dia?

– Hoje!

– Hoje?

– É, hoje!

Seu Jorge cala e franze a testa, coça a nuca e, é interrompido:

– Posso ajudar? Quais são os livros?

– Pode, pode. Toma aqui. Sem paciência rascunha os nomes das obras e os autores e entrega para um outro atendente.

A velha livraria estava lotada, acontecia um lançamento promocional da série Harry Potter e o rapaz já advertiu o doutor: “Oh! Vai demorar um pouco!

– Como? Porquê? E o computador?

– Tá fora do sistema?

Depois desta seu Jorge encosta no balcão – um encosto de consentimento triste.

Logo o rapaz volta: “Doutor, é o seguinte, tá difícil!

Manuel Bandeira não é aquele que escreveu o Pneumonia. Jorge cuspiu rapidamente: ´puta que pariu!´ Não é a Pneumonia. É Pneumotórax.

– Pois é, morreu deste negócio aí – não tem não!

– Esse aqui ó: Eu,  agosto dos anjos – procurei na parte da religião e exoterismo – não achei nada!

´Agosto dos anjos´, você disse? Puta que pariu duas vezes, cara. Meus Deus! Jorge esta indo à loucura.

Mensagem de Pessoa – nunca tivemos aqui, mas chegou um novo do Chico Xavier, é o que fala com os seus entes queridos. Esse é bom, esse é bom, vende muito. Afirma o velhinho sorrindo.

Antes de ele dar o relatório de sua intensa e próxima procura literária, seu Jorge pergunta:

– A prateleira de poesia tá ficando bem aqui em baixo e caindo  é pra mostrar o desprezo que vocês tem pela poesia, é?

– É! Disse sorridentemente e concordando com a cabeça.

Diz só mais uma coisa: você parece que sabe muito pouco das coisas aqui não é…

Bom, seu Jorge, na verdade, eu, eu … só trabalho aqui.

– Amigão (irritado, seu Jorge), faz o seguinte, – passa a mão na barba do lado direito para o esquerdo – você tem os livros daquele literata, o Paulo Coelho?

– Rô, rô, todinha! Todinha! – respondeu.

– Chequinho à vista, pode ser! Ô?! Congratulou o atendente.

Logo, logo ele volta: “Ô doutor, não vai ter jeito não!

– Que isso! Como não tem?!

Tem não ué, acusou seu nome no SPC!

´´Puta que pariu´´  – esbravejou o velhinhdo. ´´Ía ser a minha primeira venda de hoje´´.

Extraído de Aqui, agora, quase, quando – contos. (no prelo)  de  DOUGLAS RODARTE

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s